Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Chris Lonsdale é um empreendedor, linguista, psicólogo e educador neozelandês que estudou métodos de aceleração para o aprendizado. Eu, a princípio, sabendo do seu método "The Kungfu English learning system", pensei que era apenas mais um jogada comercial para te vender um enlatado para ensino de línguas.

No entanto, diante de intermináveis cursos de inglês com duração de 6,7 e até 8 anos, eu começo a pensar, pelo menos num primeiro momento, a acreditar que um método mais eficiente de 6 meses, na verdade, é pouco comercial e pode visar o aprendizado eficiente do ensino de línguas. Há cursos de inglês que custam entre R$ 1.200,00 a R$ 2.000,00 por semestre. E levam anos para serem concluídos. Já estive em alguns cursos que ia aos Sábados e tinha a sensação que estava sendo perfeitamente enrolado. Ficávamos cerca de um mês no mesmo capítulo aprendendo as mesmas palavras e gramática. E quando surgia uma palavra nova, era do tipo "Aleluia, foi introduzido ao contexto uma nova palavra".

 Artigos relacionados:

1. Rating Soberano, Impostos e Liberdade - Para quais países tentar trabalho caso a crise continue em 2017 ou nos próximos anos?
2. Desemprego juvenil é preocupante e está alto em todo o mundo
3. A importância da educação financeira
4. Vida e Trabalho na Suécia, um Podcast com Taís do @AquinaSuécia
5. Carros Autônomos já são uma realidade?

Sei que, assim como eu penso todo dia, há muitos Engenheiros deixando o país ou pensando em deixá-lo. Muitas vezes em busca de emprego que, no Brasil atualmente não tem. Há Engenheiros ainda mais inconformados que querem deixar o país para melhor aproveitar suas potencialidades. Aqui no país, qualquer tipo de produção tem um custo muito maior que muitos outros países. Nossa competitividade é zero. Qualquer produto / serviço feito, produzido ou idealizado aqui custa cerca de 2,5 a 3 vezes mais caro do que se fosse feito em qualquer país com melhor competitividade. A logística e o mercado daqui também são bem ruins. Há uma incerteza bem grande se é possível obter Retorno sobre Investimento no Brasil. Os Engenheiros bons daqui são funcionários públicos que adoram mexer com papel e Excel (Deixaremos isso para uma próxima conversa). Enfim, o Brasil tem grandes problemas de infraestrutura, que aumentam e muito o custo Brasil.

Embora eu já tenha estudado inglês por 8 anos da minha vida, sempre bate aquela insegurança na hora de conversar com um Nativo. Sempre surge aquela dúvida em se arriscar a criar novas frases, encadear novas palavras, adicionar um contexto. A meu ver, isso é dominar a língua. No entanto, muitos preferem ficar nas frases prontas do "My name is... nice to meet you", "Please, introduce me your friend" e tantas e outras expressões prontas que aprendemos nos cursinhos de inglês da vida.

No aspecto citado acima, penso exatamente como Chris Lonsdale. É preciso se arriscar na língua para poder aprendê-la. E, além disso, a meu ver, ele não é qualquer um. O cara, em 1981 foi para China, aprender Mandarim, numa época em que ninguém pensava em fazer isso e todos achavam loucura aprender tal língua por sua alta dificuldade de aprendizado. Especulava-se que levaria 10 anos ou mais para falar como um Nativo, o Mandarim. Totalmente fora do "mainstream", inicialmente, Chris tinha um plano de aprender a nova língua em 2 anos. Além, é claro, de usar o aprendizado de uma nova língua como um estudo, pesquisa e aplicação no campo da psicologia aplicada ao aprendizado de idiomas. Para aprender, ele usou técnicas de aprendizado acelerado aplicados ao ensino de idiomas e pasmem: o cara se tornou fluente em Mandarim em apenas 6 meses.

Curioso em saber o método dele e o que ele defende para o aprendizado de idiomas? Veja seus argumentos:

- Procurar por pessoas que já sabem o idioma e procurar situações onde o idioma funciona e é aplicado (Processo de Modelagem); Veja que aqui não estamos falando de imersão somente. Para este linguista, a imersão por si só não funciona. E é mais um mito do ensino de idiomas. Um exemplo disso é vermos Chineses que estão aqui no Brasil há mais de 10 anos que ainda falam "pastel de flango" e tem bastante dificuldade de se comunicar quando se foge do assunto "coxinha, pastel e kibe". Muitos ocidentais que moram em Hong Kong não falam Chinês. O método da imersão, por si só , não funciona. "Um homem se afogando não aprende a nadar".


Neste processo de modelagem há 5 princípios e 7 ações principais.

Os cinco princípios são:

- Princípio 1:
- Significado - Relevância - Atenção - Memória 

"Focar no conteúdo que é importante para você". Tem pessoas que aprendem melhor com música, outras aprendem melhor lendo artigos ou publicações de conteúdo que lhe interessam tais como revista em quadrinhos, romances e até contos-eróticos (Eu já conheci pessoas que aprenderam um inglês meio depravado...rs). Há pessoas que aprendem melhor vivenciando situações reais / visualizando. Brincadeiras a parte, estudar o que se gosta faz com que você busque ou se atualize sempre com o conhecimento na língua. Eu tive um colega de trabalho que chegou ao nível de fluência quando terminou de ler e ouvir a coleção de Harry Potter livro + áudio-book.

Enfim, vale a pena tentar tudo que seja do seu interesse.

- Princípio 2: "Usar o novo idioma como ferramenta para se comunicar desde o 1° dia."

Chris londsdale conta uma história bem interressante relacionado a isso.

Ele disse uma colega de trabalho tinha frequentado aulas, treinado durante nove meses tentando aprender a escrita e a digitação em chinês, no entanto, com pouco progresso. 

Quando deu um problema na empresa, uma crise, na qual eles precisavam enviar um manual de treinamento em chinês em 48 horas. Em 48 horas, desesperada, ela deu conta do recado e conseguiu aprender a digitar em chinês.

- Princípio 3:
"Quando você entende primeiro a mensagem, você adquire de forma inconsciente a língua.

Quando Chris chegou à China, ficou 8 horas num restaurante de vagão de trem se comunicando com um dos guardas do trem. Ele desenhava, fazia movimento com as mãos e expressões faciais. E , pouco a pouco, Chris foi aprendendo o Chinês e entendendo mais e mais. Duas semanas depois, quando duas pessoas conversavam na rua, ele começou a entender parte do que estavam falando. E ele não tinha feito nenhum esforço para entender, foi somente na noite do trem. Ou seja, ele tinha aprendido inconscientemente a língua. Esse é um princípio que se chama tecnicamente de "entrada compreensiva". Sendo o pesquisador Stephen Krashen um dos precursores do estudo desse fenômeno.

Há colegas com quem tive contato no mestrado que colocavam na CNN para ficar escutando em casa, apenas tentando pegar informação, verificando o que estava acontecendo, procurando entender o que se falava, o movimento das pessoas. Este tipo de coisa.

Se você acredita em mensagem subliminar, acredite, o princípio de aprendizado é o mesmo. Ou seja, de forma inconsciente você passa a incorporar hábitos, conceitos e atitudes a sua vida de forma inconsciente. Mas isso fica para um próximo bate-papo.

- Princípio 4:

"Trabalhar os músculos".

Se esforce em aprender a falar e ouvir sons característicos da língua. Treine a musculatura da boca para adaptar o aparelho vocal e auditivo para a língua que se quer aprender e absorver"

- Princípio 5:
"Se você está triste, aflito, preocupado, você não vai aprender. Ponto".
"História de ficar preocupado em aprender, conseguir ouvir tudo tintim por tintim, cada palavra. O perfeccionista não aprende como deveria o idioma. O melhor jeito de se aprender um idioma é estar relaxado."

 

As sete ações são:

-Ação 1: Escute muito. Coloque o cérebro de molho. Escute pessoas falar, ouça toneladas e mais toneladas de pessoas falando o idioma e não se preocupe se você está entendendo ou não. De certa forma, você estará escutando o ritmo, os padrões que se repetem e as coisas que se destacam.


- Ação 2: Entenda o significado, antes mesmo de aprender as palavras. Dessa forma você aprenderá o que diferentes posturas significam. A comunicação também é uma linguagem corporal.

- Ação 3: Comece a misturar. Talvez você nunca tenha pensado nisso, mas com 10 verbos, 10 substantivos e 10 adjetivos, você pode dizer 1.000 frases diferentes. Lembre-se o idioma, é um processo criativo. Não precisa ser perfeito, deve apenas funcionar, tal como um bebê começando a falar. Segundo Lonsdale, no inglês, 1.000 palavras cobrem 85 % do idioma e da conversação diária e 3.000 palavras dão a você 98% de fluência numa conversação diária.

-Ação 4: Comece com a caixa de ferramentas:

Primeira semana:
- O que é isso? (What is this?)
-Como você diz... ? (How do you say?)
-Eu não entendi. (I don't understand...)
-"repita, por favor?" (Repeat, please?)
-"O que isso significa?" (What's the meaning of...)

Tudo isso na língua alvo que você quer aprender.

Segunda e terceira semana:
Pronomes, verbos comuns, adjetivos (simples, assim como um bêbe).

-(you, that, me, give, hot...)

Na terceira-quarta semana:
Pegue as palavras de ligação (Conjunções, advérbios, etc...)

São essas palavras que te permitirão agregar um significado mais complexo em suas frases e falas.

Nesse estágio, você estará falando.


-Ação 5: É consequência do passo anterior: -Descubra um pai de língua.
Tal como um bebê, é preciso que tenha alguém fluente no idioma para você se espelhar e vê-lo falando certo.
Descubra alguém que se interesse por você como pessoa e queira ouvir o que você tem a dizer, que não fique te corrigindo o tempo todo, mas pelo contrário, procure entender o sentido do que você está falando. Isto fará com que você vá conquistando uma auto-confiança que te ajudará ainda mais a aprender o idioma. Cônjuges, geralmente, não são muito bons para isso, ok?

-Ação 6: Copiar a face, os músculos trabalhando. Tente copiar a face das pessoas falando, pronunciar o som / os fonemas da melhor maneira possível. O ideal é olhar para um falante nativo e apenas observar seu rosto, deixando seu inconsciente absorver as regras e assim você entenderá.

-Ação 7: Conexão direta: Muitas pessoas aprendem um idioma pegando algumas palavras, traduzindo-as várias vezes mentalmente para lembrá-las. Realmente ineficiente.

Você precisa perceber, ter a sensação. Ao aprender fogo, por exemplo, não fique decorando "fogo = fire". Você precisa visualizar ou perceber que "fire" é fogo. Dessa forma haverá uma imagem mental dizendo que fire é fogo. Você ficará habilidoso apenas conectando novos sons a imagens que estarão no seu íntimo de sensações e percepções.

Então, chegamos aos 5 princípios e 7 ações que Chris Londasdale recomenda. Segundo o autor, trabalhando tais técnicas, você aprenderá um novo idioma em 6 meses.

Atualização:

Pessoal, consegui achar uma palestra dele no TEDx legendado em português, vocês podem conferir melhor a técnica dele. Agradecimento ao canal "Charles Darwin" do youtube por ter traduzido.

Se você fala ou está tentando aprender um novo idioma, conte para nós sua técnica ou como você fez para aprender um novo idioma. Quanto tempo durou. Participe da nossa discussão.

Artigos relacionados:

1. Rating Soberano, Impostos e Liberdade - Para quais países tentar trabalho caso a crise continue em 2017 ou nos próximos anos?
2. Desemprego juvenil é preocupante e está alto em todo o mundo
3. A importância da educação financeira
4. Vida e Trabalho na Suécia, um Podcast com Taís do @AquinaSuécia
5. Carros Autônomos já são uma realidade?

Grande Abraço,
Wendel da Rocha (@wendelrj)