Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

No início do século XVI, séculos antes da criação do automóvel, Leonardo Da Vinci criou um carro que podia se mover sem ser puxado ou empurrado. Sua tração era provida por molas de alta tensão, com a direção do carro sendo predeterminada antes do início do movimento. Apesar do Da Vinci ser um viosionário e um homem fora de seu tempo, seria inimaginável, naquele tempo pensarmos que hoje teríamos automóveis com o nível de tecnologia embarcada que temos hoje tais como os veículos com injeção eletrônica, computador de bordo, controle de temperatura, sensores e atuadores dos mais diversos tipos e em diversos níveis.

Nosso automóvel moderno deixou de ser puramente mecânico, e passou a contar com as mais diversas tecnologias e está cada vez mais inteligente. Paralelo a isso, no século XXI tivemos a popularização de outros adventos como o GPS e Smartphones e há pesquisas macissas na área de internet das coisas. A medida em que as soluções tecnológicas vão avançando, elas de alguma forma vão sendo introduzidas aos nossos carros.

Então, de puramente mecânico, o automóvel passou a ser eletromecânico com a partida por baterias, com motor de partida e alternador ou dínamo, e, após, passou a ser eletromecânico com eletrônica embarcada. A mecânica, elétrica e eletrônica juntas formando um conceito interdisciplinar. O que está faltando? Adicionar processamento, e ele se tornará inteligente. E daí, surge o conceito de carros autônomos ou carros sem motorista. 

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

 

No artigo "Mineração de Criptomoedas com apenas um clique e o custo disso no Brasil", chegamos a conclusão que a energia elétrica no Brasil está bem cara em relação a muitos outros países do mundo, o que acaba tornando muitas vezes inviáveis os empreendimentos que dependam da competitividade do preço da energia para poder competir no mercado como é o caso da indústria (pequena e média indústria em ambiente regulado), das fazendas de mineração de criptomoedas e também como é o caso de datacenters / computação em nuvem. Na ocasião, concluímos que a energia no Brasil, em ambiente regulado, chega a custar até 250% mais cara que em países com preços mais competitivos (leia o artigo, se quiser saber mais).

Muitas criptomoedas são mineradas via GPU, ou seja, por meio do uso de placas de vídeo. Além disso, apesar dos processadores atuais terem melhorado muito sua performance gráfica, alguns softwares e jogos ainda exigem uma placa gráfica para poder melhorar a performance do seu computador como um todo. O trabalho com a edição de vídeos, muito popular na era Youtube, também pode exigir uma boa placa gráfica. Digamos que ao sair um pouco do uso básico do computador, a demanda de placas gráficas aumentam e, por isso, ainda não se tornaram obsoletas como muitos outros componentes do computador já foram.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Na minha vida e no meu trabalho priorizo muito a privacidade e a segurança da informação. Desde as principais revelações de Edward Snowden, passei a ficar muito paranoico. Parece até informação de sites "sensacionalistas", "apocalípticos" e "ufonistas extremos", daqueles que falam dos segredos das pirâmides do Egito mas não é. Houve mesmo nos EUA um programa secreto, conhecido com o codinome PRISM, que foi iniciado em 2007, permitindo a conexão da NSA com servidores das empresas através de um portal usado em espionagens. Eu não tenho informação nenhuma de que esse programa acabou. Inclusive segundo este site, o tribunal dos EUA não acabou com programa de vigilância da NSA, o PRISM. Acho que a vigilância do Estado passou dos limites. E não só do Estado, devemos nos precaver de tudo hoje em dia para não sermos interceptados e vigiados. A pergunta que faço agora é: Você acha mesmo que seus arquivos guardados em serviço de nuvem (cloud), e-mails e qualquer outra informação importante está segura?

Há uma outra fonte importante e em português que fala sobre o assunto. Segundo o próprio site, O site "Tem Boi na Linha?" é um guia prático de combate à vigilância do Estado e de outras instituições as nossas informações privadas.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

No meu último post, falei um pouco de aspectos relacionados a segurança da informação e de algumas medidas que adotei para tornar minhas informações mais seguras. E ainda indaguei: Você acha mesmo que seus arquivos guardados em serviço de nuvem (cloud) estão seguros?

Hoje vou mostrar mais uma medida que tenho adotado com sucesso. Eu criei minha própria nuvem com um custo operacional de cerca de R$ 5,00 a R$ 7,00 por mês para ter 320 GB em nuvem. Poderia ser 500 Gb ou até 1 Tb, você só precisaria comprar ou ter um HD com capacidade maior. Gostou da ideia? Veja o que você vai precisar. 

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Nesse período de crise, meu moto G foi pro brejo. O alto falante dele não está funcionando, aliás é um problema crônico desse modelo o XT1033, e antes de comprar as chaves para abrí-lo e ter alguns possíveis gastos adicionais como ter que comprar alto-falantes novos e fazer teste de continuidade para verificar se está bem, além do tempo de espera para peça chegar, peguei da gaveta um celular antigo que tenho com root. O modelo é um Lenovo A760 que comprei há um tempo da China, cerca de 2 / 3 anos atrás. O Android dele original é o 4.1 Jelly Bean e o processador dele é um quad-core muito bom, um snapdragon s4 play muito bom, mas estava acostumado com o Lollipop que tinha no moto G, então resolvi atualizá-lo para o CyanogenMOD 11 baseado no Android KitKat (É a versão mais atual que consigo atualizar pro meu dispositivo).

Para minha surpresa, em 3 dias usando a nova ROM tive que carregar o celular de 6 a 7 vezes. Como a bateria do Lenovo é destacável e tenho algumas adicionais, troquei a bateria e nada. Passei então a verificar temperatura do celular, para isso, recomendo esses aplicativos de "device test" ou "device doctor" que são muito bons na Google Play. O celular estava esquentando bem e fui verificar na sessão "Bateria" do menu Android o que estava consumindo tantos recursos da minha bateria. E não é que o maldito Google Play services estava consumindo boa parte da minha bateria? Entenda o que é a Google Play services, como corrigir esse problema, e, se nada der certo, aprenda a viver sem.

Este post é destinado para usuários com ROOT e com alguma experiência em sistemas Android / CyanogenMOD. Se for mexer no seu celular, faça por sua própria conta em risco.