E estou falando em "colheita", em "semeadura", me inspirando em alguns vídeos do youtube que achei quando estava procurando atividades para desenvolver em um trabalho voluntário do qual participo pelo menos uma vez por semana. Os vídeos tratam de uma plantação de batata em saco de lixo, em vasos ou em saca de farinha. Nossa, achei algo revolucionário que poderia ensinar as pessoas "carentes" que estivessem dispostas a me ouvir no meu trabalho voluntário.


Logo após ver cerca de três vídeos, me deparei com certa inviabilidade. Tive um pensamento comigo mesmo: "Nossa! Como uma batata que você compra a R$ 3,00-4,00 /kg demora 150 dias para produzir!".
Não poderia mais ser aplicado em meu trabalho voluntário porque a solução da batata em saco de lixo demorava muito.
É lógico que se plantarmos batatas de 5 em 5 dias, ao final de 150 dias, colheremos, uma safra a cada 5 dias (pelo menos é que se espera, se não acontecer nenhum imprevisto na lavoura). Mesmo assim, todos que quiserem plantar batatas esperarão 150 dias para produzi-las. E se, em algum momento, caso deixem de plantar batatas, aguarda-se-á novamente 150 dias, para produção de uma nova safra de batata.
Esse foco, tanto em seu negócio quanto em seu investimento, nunca deve ser perdido. Quanto tempo demorará para meu negócio / investimento atingir a maturidade? Qual o tempo alvo, o momento esperado? Em que momento, de fato, começarei a produzir valor e o que irei produzir? Se deixar de tomar uma ação agora, se esquecer ou se "bobear" em quanto levarei para recuperar o tempo perdido?
Note que tudo isso não sou eu quem estou falando. É a natureza de como nosso mundo funciona. A natureza da nossa realidade como seres humanos diz a todo momento para mim e para ti que para se vencer a inércia de uma escassez relativa, ou produção de valor marginal, leva-se tempo, investimento, esforço e tomada de decisões que em muitas vezes não se pode voltar atrás, pela colheita ser demorada. Note que não se cria "valor do nada".
E, ainda tem mais, em alguns vídeos sobre colheita de batatas que podem facilmente vistos no youtube, o rapaz plantou a batata e na hora da colheita veio muito abaixo do esperado. Por acaso isso te lembra os resultados de sua empresa ou os próprios resultados de empresas listadas na bolsa de valores? É muito comum ouvir "abaixo" ou "acima" do esperado em balanço de empresas de capital aberto, o que mostra que os resultados e os processos de melhoria contínua devem ser perseguidos a todo intervalo de tempo, seja no mês, no trimestre, no semestre ou no ano. Seja em sua empresa, nos seus investimentos, em sua vida ou em sua carreira.
Nada virá de graça, nenhum valor será criado do nada neste no nosso mundo. Você pode gritar, espernear, fazer "mimimi", tentar usar a força bruta, e no fim, terá que se adaptar a isso, caso o contrário, enfrentará uma escassez sem precedentes em sua vida, em sua família e em sua carreira.

Convido a assistirem o vídeo do Seiiti Arata, ele faz afirmações bem lúcidas com relação a carreira, a família, a previdência e coloca cada um de nós a pensar no tal do retorno sobre o investimento, principalmente quando fala em estudo / graduação.

No Brasil, se tem muito a cultura do diploma, do certificado, do título. E, acredite, o que não falta é "cursinho" nesse país emitindo "papel", com autorização do MEC. Essa cultura é maléfica, porque o mercado não funciona assim. A vida real, a realidade que nos circunda não funciona assim. O mercado precisa de especialistas ( e esse é o princípio da especialização / divisão do trabalho e o início de uma era de prosperidade das nações que aplicaram esse conceito), de pessoas que saibam fazer, em um bom tempo e a um bom preço. Se em um determinado momento me colocassem como "ministro da plantação de batata" (em caso de economias planificadas) o país passaria por um longo período de escassez no cultivo de batata. Ou se em algum momento, eu, por decisão própria, começasse a plantar batata, provavelmente não alcançaria o "preço competitivo de mercado" por um bom tempo e poderia falir durante minha empreitada. O preço está dado, é o mercado quem define e o consumidor acompanha de perto. Ao produtor, que se adeque aos preços e fique de olho em seus custos de produção. O surgimento de primeira, segunda e terceira linha de produtos está intimamente ligada a este conceito mercadológico.
Deixe o mercado, os especialistas produzirem ou não produzirem batatas, eles avaliarão sempre melhor do eu, você ou de qualquer ordem de um "iluminado de cima", algo que faz engessar toda a cadeia produtiva e cria uma escassez sem necessidade e, muitas vezes, sem precedentes.

Para finalizar, durante uma viagem a trabalho que fiz no interior do país, lembro que estava no transporte público e um rapaz do interior disse para mim: "Com o preço X da ração, está inviável criar porco para vender pro abatedouro (o abatedouro compra a um preço quase que fixo, se baseando no preço de mercado, não tem como mudar isso)". Eu fiquei surpreendido com aquilo. Vi que a "mão invisível" do mercado de Adam Smith realmente funciona e deu um sinal para aquele produtor que se ele produzisse carne de porco no curto prazo (em que o preço da ração estivesse aumentando), poderia não ter retorno sobre o seu investimento ao final do processo. Isso ligou o alerta do produtor para procurar alternativas e/ou migrar sua produção de curto-médio prazo.

Atualmente, estamos vendo marcas que para conseguirem chegar a maturidade estão literalmente "queimando" caixa, esperando que a colheita ocorra. É o caso do Nubank, Spotify, Uber, Snapchat, entre muitas outras fintech's que frenquentemente apresentam prejuízos em seus balanços. Se houver uma melhora, que bom e eu torço por isso. Mas, o que tem me preocupado, é que a colheita pode nunca vir, assim como essas empresas podem nunca chegar a maturidade. E, acredite, algumas estão sendo avaliadas em bilhões de dólares na bolsa de valores dos EUA, o que pode ser uma distorção.
Portanto, por tudo aqui descrito, fechar os olhos, não faz com que a realidade desapareça. Acompanhar a natureza do mercado, fazer um mínimo planejamento e acompanhar os resultados frente a frente, de forma a buscar uma melhoria contínua, é caminho para garantir um bom produto / serviço, em um bom tempo e a preço competitivo. Para qualquer empreitada, seja na vida, nos negócios ou na carreira, não se esqueça de que, em condições normais, não se cria valor do nada. Temos que correr atrás, e muito, se quisermos produzir valor e obter o tão sonhado retorno sobre o investimento.

Um abraço,
Wendel.